Voltar Coleo Completa de Cadernos Temticos

Qumica de Frmacos

3_Qumica_de_Farmacos_small.jpg

Editorial

Corpo Editorial

Editorial

editorial.pdf editorial.pdf

Introduo Qumica dos Frmacos

Eliezer J. Barreiro

Introduo

introd.pdf introd.pdf

Sobre a Qumica dos Remdios, dos Frmacos e dos Medicamentos

Eliezer J. Barreiro

frmacos, origem dos frmacos, qumica medicinal

Geralmente temos por hbito chamar os frmacos de remdios. Entretanto, a origem da palavra latina remediare significando remediar e no curar, exige que hoje em dia nos habituemos a cham-los de frmacos ou medicamentos, sendo a distino ao nvel do princpio ativo, i.e. frmaco, que uma vez formulado traduz-se no medicamento que utilizamos. Esta denominao a mais correta por traduzir melhor o papel desempenhado pelos frmacos disponveis no arsenal teraputico moderno, capazes de efetivamente curar, mais do que remediar. Exatamente para destacarmos este ponto intitulamos este artigo Sobre a qumica dos remdios, dos frmacos e dos medicamentos.

remedios.pdf remedios.pdf

A diversidade qumica das plantas como fonte de fitofrmacos

Hlio de Mattos Alves

farmacognosia, metabolismo secundrio, produtos naturais, fitoalexinas

Os vegetais so fontes importantes de substncias biologicamente ativas. A diversidade, em termos de estruturas e propriedades qumicas, na qual essas substncias ocorrem na natureza podem servir, para o desenvolvimento de um grande nmero de fitofrmacos. Este artigo tem como objetivo mostrar como a qumica dos produtos naturais pode contribuir para a produo de compostos vegetais biologicamente ativos, com nfase, especial, naqueles que apresentam propriedades farmacolgicas .

divers.pdf divers.pdf

Qumica Medicinal - As bases moleculares da ao dos frmacos

Eliezer J. Barreiro e Carlos Alberto Manssour Fraga

Resenha

Qumica Medicinal - As bases moleculares da ao dos frmacos, autores: Eliezer J. Barreiro e Carlos Alberto Manssour Fraga, pesquisadores do LASSBio, UFRJ. Formato: 21 x 28. ISBN: 85-7307-782-4. 243 pginas. http://www.artmed.com.br/

resenha.pdf resenha.pdf

A Importncia da Sntese de Frmacos

Ricardo Menegatti, Carlos Alberto Manssour Fraga e Eliezer J. Barreiro

frmacos sintticos, aspectos histricos da sntese de frmacos

Tendo em vista a importncia dos frmacos de origem sinttica dentro do mercado teraputico, discutimos neste trabalho aspectos histricos da sntese de frmacos desde a aspirina, primeiro frmaco sinttico, evoluindo com outros exemplos de frmacos estruturalmente diversos, at um dos exemplos mais recentes, o sildenafil (viagra).

sintese.pdf sintese.pdf

Frmacos e Quiralidade

Fernando A. S. Coelho

frmacos, quiralidade, sntese assimtrica, ibuprofeno, captopril

Nesse artigo discutimos a relao da quiralidade com o efeito farmacolgico dos frmacos. Apresentamos tambm a forma de interao desses frmacos em um organismo animal (biofase) e as respostas biolgicas associadas a essa interao. Para facilitar a compreenso do assunto, definiremos alguns conceitos bsicos de estereoqumica e em seguida os aplicaremos s molculas de alguns frmacos. Para finalizar, mostramos alguns mtodos de preparao de frmacos com centros assimtricos em sua estrutura vendidos em farmcias brasileiras.

quiral.pdf quiral.pdf

Razes da Atividade Biolgica: Interaes Micro- e Biomacro-molculas

Carlos Alberto Manssour Fraga

interao frmaco-receptor, foras de interao, reconhecimento molecular

As interaes de um frmaco com o seu stio de ao no sistema biolgico ocorrem durante a chamada fase farmacodinmica e so determinadas por foras intermoleculares: interaes hidrofbicas, polares, eletrostticas e estricas. Considerando os possveis modos de interao entre o frmaco e a biofase, podemos classific-los de maneira genrica em dois grandes grupos; estruturalmente inespecficos e estruturalmente especficos.

atividde.pdf atividde.pdf

Processos Modernos no Desenvolvimento de Frmacos: Modelagem Molecular

Carlos Rangel Rodrigues

modelagem molecular, mecnica molecular, semi-emprico, HIVPR

A modelagem molecular uma ferramenta importante no desenvolvimento de frmacos. Neste trabalho, descrevemos os dois principais mtodos empregados na elaborao de programas de modelagem molecular: mtodos de mecnica molecular e mtodos semi-empricos. A enzima HIV protease (HIVPR) foi selecionada como alvo teraputico para mostrar como a modelagem molecular pode ser utilizada no planejamento racional de novos inibidores de HIVPR.

modelag.pdf modelag.pdf


Voltar Coleo Completa de Cadernos Temticos
 
on-line ISSN 2175-2699
impreso ISSN 0104-8899
Apoio a Projetos
CNPq
Desenvolvido por EKMF.