Voltar à Coleção Completa

QNEsc Vol. 32 No 3

QNEsc - Vol. 32 No 3 - Agosto - 2010

QNEsc32_3_capa.jpg

Editorial

Editores e Editor Associado

Editorial

00-Editorial.pdf Editorial

Carta aos Candidatos à Presidência da República do Brasil

Documento aprovado na Assembleia do XV ENEQ – Encontro Nacional de Ensino de Química –, promovido pela SBQ, Divisão de Ensino de Química, em 24 de julho de 2010

01-Carta_aos_Presidenciaveis.pdf 01-Carta_aos_Presidenciaveis.pdf

Trilogia: Química, Sociedade e Consumo

Julieta Saldanha de Oliveira, Márcio Marques Martins e Helmoz Roseniaim Appelt

Química e Sociedade

história, sociedade, química

A química, a sociedade e o consumo sempre estiveram interligados. Desde os primórdios das civilizações, o homem faz uso de procedimentos que podem ser considerados como uma química empírica. As desafortunadas condições que cercaram o mau uso e a aplicação do saber químico a estigmatizaram, sendo considerada como um conjunto de conhecimentos negativos e indesejáveis para a sociedade. Apresenta-se uma retrospectiva histórica comentada acerca da trilogia química-sociedade-consumo, enfatizando as inter-relações existentes.

 

02-QS-5709.pdf PDF: 02 Química e Sociedade 1

Processos Físico-Químicos no Biofilme Dentário Relacionados à Produção da Cárie

Karina Imaculada Rosa Teixeira, Audrey Cristina Bueno e Maria Esperanza Cortés

Química e Sociedade

biofilme, cárie, placa dental

A presença do biofilme na cavidade oral é o principal fator etiológico da cárie dental. Diversas teorias têm sido levantadas sobre a participação específica das bactérias na produção do ácido e na relação causal destas com essa doença. Contudo, existe consenso que além da frequência de ingestão de carboidratos, a concentração de bactérias, a presença de saliva, a capacidade tampão e a duração dos efeitos são, em associação, fatores determinantes para o estabelecimento e a progressão do biofilme. Quimicamente vários fatores – tais como pH, tensão de oxigênio, entre outros – influenciam na formação e no desenvolvimento do biofilme, portanto, torna-se complexo ter total controle das reações químicas intrabucais e, consequentemente, a dificuldade em tratá-las aumenta. O objetivo deste artigo foi descrever os fenômenos físico-químicos no interior do biofilme que envolve a formação e o desenvolvimento do biofilme dentário e como este pode interferir na formação da cárie dentária.

03-QS-5009_novo.pdf PDF: 03 Química e Sociedade 2

O Saber Popular nas Aulas de Química: Relato de Experiência Envolvendo a Produção do Vinho de Laranja e sua Interpretação no Ensino Médio

Daniela Regina Resende, Ronaldo Antonio de Castro e Paulo César Pinheiro

Relatos de Sala de Aula

saber popular, vinho de laranja, ensino de química

Relata-se uma experiência envolvendo o estudo de uma manifestação do saber popular – a produção do vinho de laranja, e sua inserção em uma sala de aula de química de nível médio. Descreve-se o processo, conforme tradicionalmente realizado por uma família, e as atividades desenvolvidas na escola. Ao final, é feita uma análise da experiência, considerando o modo de inserção do saber popular em sala de aula, a participação dos alunos e suas respostas à prática pedagógica adotada, a questão da linguagem e outras.

04-RSA-5409.pdf PDF: 04 Relatos de Sala de Aula 1

Método Cooperativo de Aprendizagem Jigsaw no Ensino de Cinética Química

Elton Fabrino Fatareli, Luciana Nobre de Abreu Ferreira, Jerino Queiroz Ferreira e Salete Linhares Queiroz

Relatos de Sala de Aula

aprendizagem cooperativa, ensino de química, Jigsaw

Este artigo descreve uma estratégia baseada na aprendizagem cooperativa com alunos do 2º ano do ensino médio, usando o método Jigsaw. O tópico ‘Fatores que alteram a velocidade das reações químicas’ foi estudado. No final da aula, os estudantes responderam a um questionário para a análise da aceitação da atividade. Os resultados indicam que a aprendizagem cooperativa pode criar condições para um melhor ensino de conteúdos de química, contribuir para a formação de uma cidadania consciente e estimular atitudes cooperativas na escola e no ambiente social.

05-RSA-7309_novo.pdf PDF: 05 Relatos de Sala de Aula 2

As Questões Ambientais e a Química dos Sabões e Detergentes

Elaine Maria Figueiredo Ribeiro, Juliana de Oliveira Maia e Edson José Wartha

Relatos de Sala de Aula

Sabões e detergentes, degradação ambiental, ensino de química

Neste artigo, apresentamos um relato de experiências sobre o desenvolvimento de uma proposta de ensino temático em Química, por meio da abordagem de questões ambientais relacionadas ao uso de sabões e detergentes, produzido e implementado em sala de aula pelo Projeto de Formação Inicial e Continuada de Professores de Química (PROEXT/2007/MEC-SESU). A proposta articula o conteúdo de Química à abordagem temática, propiciando a discussão de aspectos sociocientíficos e ambientais, a compreensão de processos químicos no contexto social e o desenvolvimento de atitudes e valores relacionados à cidadania.

06-RSA-7809.pdf PDF: 06 Relatos de Sala de Aula 3

Contextualização do Ensino de Química em uma Escola Militar

Sérgio Henrique Frasson Scafi

Relatos de Sala de Aula

ensino militar, experimentos de química, práticas de laboratório

O presente trabalho aborda a contextualização do ensino de química aplicado a uma escola militar, onde atividades práticas de laboratório e demonstrações de reações químicas com enfoque ou aplicabilidade militar são desenvolvidas de forma contextualizada, permitindo aos alunos o desenvolvimento do raciocínio químico e despertando maior interesse pela aula. Os temas englobam assuntos ministrados na Escola Preparatória de Cadetes do Exército e servem de preparação para o futuro cadete nas atividades previstas na cadeira de química da Academia Militar das Agulhas Negras. São trabalhados em concomitância com o conteúdo dos conceitos teóricos aplicados em sala de aula. Constatou-se que, quando a atividade prática está relacionada com o cotidiano do militar ou à sua carreira, os alunos tornam-se mais acessíveis no processo de aprendizagem, e o interesse pela atividade se mostra muito mais efetivo, resultando numa melhora no processo de ensino e, por conseguinte, nos resultados obtidos pelos educandos em termos de notas, fixação dos conteúdos e aprendizagem.

07-RSA-8709.pdf PDF: 07 Relatos de Sala de Aula 4

Representações para o Processo de Dissolução em Livros Didáticos de Química: o Caso do PNLEM

Anielli Fabiula Gaviolli Lemes, Karina Aparecida de Freitas Dias de Souza e Arnaldo Alves Cardoso

Pesquisa no Ensino de Química

livros didáticos, PNLEM, representações em nível teórico-conceitual

No ensino de química, bem como no de outras ciências naturais, o uso das imagens é fundamental para melhorar o entendimento de conceitos, de forma que, nos livros didáticos (LDs), sua presença garante a qualidade do material impresso tanto sob o aspecto didático como visual. Nesse contexto, o presente trabalho tem por objetivo promover a análise de LDs de química no que se refere à presença e forma de apresentação de representações que valorizam o entendimento em nível teórico-conceitual. Em vista do grande número de obras disponíveis, a análise foi limitada às seis obras aprovadas pelo Programa Nacional do Livro para o Ensino Médio (PNLEM), sendo o fenômeno de dissolução considerado foco da investigação comparada. Apesar da reconhecida importância da função da imagem, especialmente concernente à representação em nível teórico-conceital para a compreensão de fenômenos químicos, os resultados sugerem a necessidade de maior reflexão acerca da ênfase e forma de utilização dessa estratégia. Dessa forma, pretende-se, com esse artigo, contribuir para a reflexão acerca da escolha e utilização dos LDs, bem como de seu processo de avaliação.

08-PE-0709.pdf PDF: 08 Pesquisa no Ensino de Química

Leitura em Sala de Aula: Um Caso Envolvendo o Funcionamento da Ciência

Wilmo Ernesto Francisco Junior e Oswaldo Garcia Júnior

Pesquisa no Ensino de Química

leitura, escrita, modelos científicos

Este estudo apresenta uma atividade de leitura em sala de aula desenvolvida com estudantes de nível médio de um curso pré-vestibular na cidade de Araraquara (SP). Essa atividade buscou o desenvolvimento de aspectos relacionados ao funcionamento da Ciência, sobretudo a importância dos modelos. Após a leitura do texto, realizada individualmente e em silêncio, os estudantes responderam a um questionário contendo questões fechadas e abertas que serviu como fonte de dados. Os resultados indicaram que essa leitura auxiliou a construção de importantes ideias acerca dos modelos científicos, as quais não faziam parte do imaginário dos leitores. Além disso, a estratégia de produção escrita a partir do questionário mostrou-se importante para o estabelecimento de inferências acerca da leitura realizada pelos estudantes.

09-PE-8809_novo.pdf PDF: 09 Pesquisa no Ensino de Química 2

A Estratégia “Laboratório Aberto” para a Construção do Conceito de Temperatura de Ebulição e a Manifestação de Habilidades Cognitivas

Rita de Cassia Suart, Maria Eunice Ribeiro Marcondes e Maria Fernanda Penteado Lamas

O Aluno em Foco

experimentação, atividade investigativa, temperatura de ebulição

Algumas pesquisas em ensino de Química têm destacado a importância do uso de atividades experimentais investigativas para o desenvolvimento de habilidades cognitivas nos alunos e para um aumento na participação destes no processo de aprendizagem. Assim, este trabalho tem como objetivo discutir e refletir as potencialidades dessas atividades, investigando uma experiência de ensino sobre o conceito de temperatura de ebulição desenvolvida com alunos da 1ª série do ensino médio de uma escola pública da cidade de São Paulo. Foi observado que os alunos manifestam habilidades cognitivas de ordem mais alta, como elaboração de hipóteses, e também apresentam certa dificuldade em compreender a relação entre tempo e temperatura.

10-AF-8109_novo.pdf PDF: 10 O Aluno em Foco

Ferro

Miguel de Araújo Medeiros

Elemento Químico

11-EQ-6809.pdf PDF: 11 Elemento Químico

Normas para Publicao

15-Normas.pdf 15-Normas.pdf


Voltar Coleo Completa
 
on-line ISSN 2175-2699
impreso ISSN 0104-8899
Apoio a Projetos
CNPq
Desenvolvido por EKMF.