Voltar à Coleção Completa
Voltar ao Volume 34 Nº 02

Química Nova na Escola
Vol. 34 Nº2
Maio de 2012

Editorial

Química Nova na Escola continua com seu papel de difundir resultados de pesquisa e contribuições para a melhora da educação química. São as mais variadas temáticas que temos tratado ao longo desses 17 anos de publicação ininterrupta. Na edição passada, lançamos a chamada de artigos para o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência, cujo prazo de submissão foi ampliado para 04/06/2012, atendendo à solicitação de muitos autores. Dentre outras temáticas que têm sido abordadas na revista, neste número, voltamos a publicar artigos que relacionam educação química com saúde. A alimentação tem sido tema de indiscutível importância na sociedade, na ciência e mais ainda na escola. Tem-se percebido que deve haver um maior compromisso entre as instâncias de produção de conhecimento, de bens materiais, de valores para que as pessoas tenham acesso à informação confiável sobre a qualidade dos alimentos, seus componentes nutricionais, aditivos, origem e validade para que elas possam decidir por uma dieta balanceada de acordo com suas necessidades. Tal compromisso deve ser ainda mais evidente e indutor na direção de qualificar as dietas, tendo em vista a forte pressão que os meios de comunicação e fundamentalmente a propaganda neles veiculadas têm exercido sobre a população. Dados do IBGE de 2009 indicam que mais de 90% da população brasileira consomem menos que a quantidade mínima recomendada de frutas, legumes e verduras. Na contramão, bebidas com adição de açúcar, como refrigerantes, têm consumo elevado entre jovens que também têm privilegiado a ingestão de embutidos, frituras, biscoitos e sanduíches em detrimento do tradicional e nutritivo arroz com feijão e “mistura”. Esta deixou de ser variada e complementar para se transformar em sinônimo de comida rápida e misturada. Observou-se que a ingestão de alimentos com altas taxas de gordura e açúcar, como sanduíches e refrigerantes, ocorre, sobretudo, fora do domicílio e certamente deve haver correlação com o aumento da obesidade da população. É fato que os hábitos alimentares estão diretamente relacionados à sensação de prazer de degustar os alimentos, mas esses hábitos se formam na experiência de vida das pessoas, em suas situações de trabalho, estudo, lazer e fruição. Ou seja, a preferência por essa ou aquela forma de consumir o alimento é resultado das influências culturais e das idiossincrasias das pessoas, que se (in)compatibilizam com as possibilidades oferecidas para o consumo. Jovens que sejam sistematicamente expostos a alimentos industrializados com excesso de açúcar, gordura e aditivos tendem a preferi-los ainda que tenham crescido à base de culinárias tradicionais. Mais forte do que os conselhos dos pais para tomar a refeição à mesa com a família ou os argumentos dos professores em favor do consumo de alimentos saudáveis e nutritivos, as pressões sobre crianças e jovens pelo consumo de alimentos rápidos em locais e tempos desconexos têm prevalecido e contribuído para agravar o quadro alimentar destes que atravessam importantes fases de desenvolvimento. A conscientização dos indivíduos não é a única solução para essa situação. Certamente pais e professores devem continuar a trabalhar pela conscientização de seus filhos e alunos, mas é preciso que haja um pacto social sobre práticas de alimentação saudável, assim como já existem outros sobre a redução do consumo de bebidas alcoólicas e de cigarros. Doses diárias de frutas, verduras e legumes deveriam ser propagandeadas na mesma proporção em que se deve desestimular o consumo excessivo de açúcar, sal, gordura e aditivos na forma de alimentos enlatados. A melhora do quadro alimentar da população brasileira passa pela consciência social de governos, indústrias e meios de comunicação, e não apenas por aquilo que a educação familiar e escolar possa contribuir para a causa. No sentido de refletir sobre essas questões, Química Nova na Escola publica neste número textos sobre educação alimentar, alcoolismo e Educação Química. Abordados com estilos próprios, esses textos estabelecem um importante diálogo sobre questões filosóficas, éticas, históricas, culturais, fisiológicas, bioquímicas, químicas, que certamente trarão motivos para reflexão entre os professores e possivelmente entre alunos também. Temos aqui dois artigos que podem vir a ser utilizados por professores de química ou ciências em geral com seus alunos. Para tal, é preciso que eles passem por um processo de recontextualização para a sala de aula, pois foram concebidos para as audiências dos professores e seus programas de formação. Iniciemos, pela ordem, com o debate entre aqueles que o fazem com responsabilidade e ética, mas não são reconhecidos pelo progresso social que trazem à sociedade.

Os Editores

Voltar ao Volume 34 Nº 02
Voltar à Coleção Completa

Sociedade Brasileira de Qumica © 2012

on-line ISSN 2175-2699
impreso ISSN 0104-8899
Apoio a Projetos
CNPq
Desenvolvido por EKMF.