Voltar Coleo Completa

QNEsc #25

QNEsc # 25 - Maio - 2007

capa25.jpg

 

Editorial

Marcelo Giordan, Otavio Aloisio Maldaner, Wildson Luiz Pereira dos Santos

Editorial

a00 editorial.pdf

Embalagem Cartonada Longa Vida: Lixo ou Luxo?

Renata Mara de Moura Nascimento, Marina Miranda Marques Viana, Glaura Goulart Silva e Lilian Borges Brasileiro

Qumica e Sociedade

ensino contextualizado, resduos slidos, embalagem cartonada longa vida

As embalagens cartonadas longa vida, presentes nas prateleiras de todos os supermercados, apresentam vasta utilizao e consumo. Sua principal vantagem evitar o contato dos alimentos com microorganismos, oxignio e luz, favorecendo a sua preservao por perodos prolongados sem a necessidade de refrigerao. Vrios produtos so comercializados hoje com a utilizao dessas embalagens. Entretanto, o seu descarte pode gerar impacto ambiental, em funo da difcil degradao de seus constituintes e da grande quantidade gerada - em 2004, foram consumidas, no Brasil, cerca de 160 mil toneladas (CEMPRE, 2006a). Neste artigo, so discutidos a constituio das embalagens cartonadas e o seu reaproveitamento com vistas a um ciclo de vida com menor impacto no ambiente.

qs01.pdf qs01.pdf

O Uso da Terminologia NORMAL e PADRO

Leandro Maranghetti Loureno e Paulo Marcelo Pontes

CONCEITOS CIENTFICOS EM DESTAQUE

STP, CNTP, normal, IUPAC

A sigla CNTP (Condies Normais de Temperatura e Presso) referiu-se por muitos anos s mesmas grandezas da STP (Standard Temperature and Pressure). Em 1990, a IUPAC atualizou as STP, alterando o valor da presso padro. Aps essa data, alguns autores de livros didticos e redatores de exames de vestibulares de Qumica do Brasil comearam a utilizar as atuais STP, porm, fazendo uso da mesma sigla CNTP, esquecendo- se do correto significado do termo normal.

ccd01.pdf ccd01.pdf

Ensino do Conceito de Equilbrio Qumico: Uma Breve Reflexo

Edvaldo Sabadini e Jos Carlos de Azambuja Bianchi

CONCEITOS CIENTFICOS EM DESTAQUE

equilbrio qumico, abordagens cintica e termodinmica

A maioria quase absoluta dos livros didticos de Qumica direcionados para o Ensino Mdio recorre igualdade das velocidades das reaes direta e inversa para justificar o estado de equilbrio das reaes. Mesmo alguns livros destinados aos cursos de Qumica Geral em nvel superior fundamentam o estado de equilbrio nos princpios da Cintica Qumica e no nos da Termodinmica. Pretende-se neste artigo fazer uma breve reflexo sobre o ensino desse importante conceito do ponto de vista termodinmico.

ccd02.pdf ccd02.pdf

A Chuva cida da Perspectiva de Tema Social: Um Estudo com Professores de Qumica

Juliana Cardoso Coelho e Carlos Alberto Marques

PESQUISA NO ENSINO DE QUMICA

Ensino de Qumica, contextualizao, chuva cida

So apresentados os resultados de uma pesquisa que investigou a compreenso que um grupo de professores possua acerca do contexto onde atuavam, marcado pela poluio derivada da minerao do carvo, e a utilizao deste no Ensino de Qumica. Problematizam-se as dificuldades e as possibilidades de abordagens vinculadas realidade local, com o propsito de sugerir sua incorporao como tema social na perspectiva da educao transformadora e dos princpios da Qumica Verde.

peq01.pdf peq01.pdf

Da Mineralogia Qumica: Uma Proposta Curricular para o Primeiro Ano do Ensino Mdio

Vander Edier Ebling Samrsla, Juliano de Oliveira Guterres, Marcelo Leandro Eichler e Jos Claudio Del Pino

RELATOS DE SALA DE AULA

Ensino de Qumica, Mineralogia, currculo

A utilizao de assuntos ou de temas do cotidiano como elemento organizador ou gerador das atividades de ensino e aprendizagem de Qumica tem sido enfatizada em diversos artigos publicados nesta seo desta revista. Esses assuntos podem ser usados tanto para conduzir algumas aulas como para a proposio da totalidade do currculo de uma disciplina. Esse o caso que apresentamos neste artigo, no qual mostramos a utilizao da mineralogia como um assunto articulador de uma proposta curricular para o Ensino de Qumica no primeiro ano do Ensino Mdio.

rsa01.pdf rsa01.pdf

Qumica Por Meio de Teatro

Nidia Franca Roque

RELATOS DE SALA DE AULA

teatro, Ensino de Qumica, Histria da Qumica

Este artigo relata uma experincia de ensino que visa utilizar o teatro como ferramenta para o Ensino de Qumica. Por meio de improvisaes teatrais, exercitam-se a criatividade, as expresses oral e corporal dos estudantes e a compreenso de temas qumicos. As atividades realizadas buscam desenvolver a interao entre os participantes e a articulao de idias que sero expostas durante as improvisaes. Durante as aulas, espera-se que o estudante, mediante o desempenho teatral, perceba o seu nvel de compreenso sobre os temas qumicos abordados e faa uma reflexo sobre estes. No caso narrado, o tema escolhido foi a Histria da Qumica no Sculo XVIII.

rsa02.pdf rsa02.pdf

Uma Festa no Cu - Pea em Um Ato Focalizando o Desenvolvimento da Qumica a Partir do Sculo XVIII

Nidia Franca Roque

RELATOS DE SALA DE AULA

Qumica do sculo XVIII, modelo atmico de Dalton, Boyle, Bohr

A pea "Uma Festa no Cu" uma adaptao livre da histria da qumica no sculo XVIII. Escrita ao final do curso "Qumica Atravs do Teatro" (Roque, 2007), ela aborda a qumica dos gases desenvolvida por Black, Scheele, Priestley, Cavendish e Lavoisier, alm das idias iniciais do tomo propostas por Dalton. Bohr aparece em cena como um organizador das idias qumicas e Boyle, como um dos precursores da Qumica Pneumtica, tem tambm o seu espao em cena. Trata- se de uma pea escrita por uma qumica, para ser representada para aqueles que tenham interesse por essa Cincia. Recomenda-se que, aps a pea, haja uma discusso sobre a viso de Cincia existente no sculo XVIII.

rsa03.pdf rsa03.pdf

Alteraes de Cor dos Vegetais por Cozimento: Experimento de Qumica Inorgnica Biolgica

Michele F. de Oliveira e Elene C. Pereira-Maia

EXPERIMENTAO NO ENSINO DE QUMICA

metalobiomolculas, clorofila, feofitina

A clorofila, substncia responsvel pela cor verde das plantas, atua como um receptor de energia luminosa na sntese de carboidratos a partir de gua e CO2 2 proveniente do ar, num processo denominado fotossntese. Ela uma metalobiomolcula, pois contm um on Mg(II) em sua estrutura. Quando verduras e vegetais so preparados por meio do cozimento, mudanas qumicas podem ocorrer na estrutura da clorofila. Prope-se um experimento simples para verificar a mudana que ocorre na colorao de vegetais durante o processo de aquecimento e, dessa forma, demonstrar a formao da feofitina. Esse experimento ilustra a importncia do on Mg(II), dito inorgnico, na manuteno da vida.

eeq01.pdf eeq01.pdf

Padronizao de Solues cida e Bsica Empregando Materiais do Cotidiano

Willian Toito Suarez, Luiz Henrique Ferreira e Orlando Fatibello-Filho

EXPERIMENTAO NO ENSINO DE QUMICA

titulao cido-base, padronizao de solues, materiais do cotidiano

Neste artigo, relatado o emprego de cido acetilsaliclico (AAS) e bicarbonato de sdio (NaHCO3) 3como padres primrios para a padronizao de cido muritico (HCl impuro) e soda custica (mistura de NaOH, Na2CO3 23e NaCl), empregando-se titulao cido-base. Essas substncias utilizadas so de baixo custo e de fcil aquisio e podem ser empregadas por alunos do Ensino Mdio e Superior em substituio aos padres primrios normalmente utilizados em padronizaes de solues cida ou bsica em volumetria cido-base.

eeq02.pdf eeq02.pdf

Investigando Componentes Presentes no Leite em uma Atividade Interativa

Ktia Zutin e Josely Kobal Oliveira (in memoriam)

EXPERIMENTAO NO ENSINO DE QUMICA

leite, experimentao, conceitos qumicos

Neste trabalho, apresentou-se uma proposta de aula prtica, na qual o aluno, durante a investigao de alguns componentes presentes no leite, utilizou-se de conceitos qumicos de substncia e mistura de substncias; tcnicas de separao de misturas; substncia cida e indicador cido/base; sal hidratado e anidro. A atividade foi executada com sucesso por alunos de 8a srie do Ensino Fundamental como parte das aulas prticas de Qumica do 4o bimestre. A execuo da atividade envolveu o planejamento e a elaborao, levantamento dos materiais, testes e finalmente a aplicao. Na realizao da prtica pelos alunos, atentou-se para o desempenho, o interesse e os comentrios feitos por eles.

eeq03.pdf eeq03.pdf

Abordagem Qumica na Extrao de DNA de Tomate

Renata de Lima e Leonardo Fernandes Fraceto

processos de extrao, DNA, tomate

Neste artigo, apresentado um experimento simples: a extrao de DNA de tomates utilizando procedimentos laboratoriais de fcil execuo e reagentes de baixo custo. Trata-se de um tema atual a partir do qual se pode trabalhar uma srie de conceitos qumicos e bioqumicos fundamentais.

eeq04.pdf eeq04.pdf


Voltar Coleo Completa
 
on-line ISSN 2175-2699
impreso ISSN 0104-8899
Apoio a Projetos
CNPq
Desenvolvido por EKMF.