Voltar Coleo Completa

QNEsc Vol. 31 No 4

QNEsc - Vol. 31 No 4 - Novembro - 2009

capa-31_4.jpg

 

Editorial

Editores e Editor Associado

Editorial

01-editorial.pdf 01-editorial.pdf

Articulação de Conceitos Químicos em Um Contexto Ambiental por Meio do Estudo do Ciclo de Vida de Produtos

Alfredo Luis Martins Lameirão Mateus, Andréa Horta Machado e Lilian Borges Brasileiro

Qumica e Sociedade

ciclo de vida de produtos, educação ambiental, ensino contextualizado

A abordagem de questões ambientais em aulas de química vem sendo tema de reflexões recentes em nossa comunidade. Buscando configurar um espaço que propiciasse a interlocução do conhecimento químico com questões ambientais, foi proposto o desenvolvimento de projetos que consideram a perspectiva da análise do ciclo de vida de produtos. No âmbito do ensino de química, a abordagem desse ciclo se mostra como articuladora entre o contexto ambiental e os aspectos do conhecimento químico.

02-QS-3508.pdf 02-QS-3508.pdf

A Leitura dos Estudantes do Curso de Licenciatura em Química: Analisando o Caso do Curso a Distância

Ana Luiza de Quadros e Luciana Campos Miranda

Espaço Aberto

leitura, formação de professores, aprendizagems

A linguagem química permite uma leitura elaborada do mundo. Um mundo que o homem interpretou, transformou, registrou e revelou em palavras num processo contínuo e espiral, em que ações de interpretação, registro, revelação e transformação, influenciam-se mutuamente. Ler o mundo é, também, ler as palavras que sintetizam a forma como cada ramo da sociedade entende esse mundo. Aos que ingressam na graduação, a leitura é uma ferramenta indispensável. Investigamos as leituras que estudantes do curso de Licenciatura em Química – na modalidade a distância – afirmam fazer. Percebemos que muitos deles limitam essa atividade e, portanto, as chances de desenvolverem estratégias de entendimento do texto, necessárias para o próprio curso e a outros interesses.

03-EA-7608.pdf 03-EA-7608.pdf

Processos Endotérmicos e Exotérmicos: Uma Visão Atômico-Molecular

Haroldo Lúcio de Castro Barros

Conceitos Científicos em Destaque

absorção/liberação de energia; energia interna; formação/ruptura de ligações

Neste artigo, são analisadas, sob a perspectiva atômico-molecular, absorção e liberação de energia, na forma de calor, em processos físico-químicos. Para isso, entre outros aspectos, foram discutidos: as definições de sistema e vizinhança; os conceitos macroscópico e microscópico de temperatura; a percepção de calor como um processo de transferência de energia, resultante de uma diferença de temperatura; o equilíbrio térmico entre sistema e vizinhança em experimentos realizados em condições diatérmicas; os conceitos de energia interna de um sistema e de suas constituintes; a variação de temperatura de um sistema e a de energia cinética média das partículas; e variações de energia potencial associadas à ruptura e à formação de ligações químicas e/ou de interações intermoleculares. Com a discussão desses tópicos, muitas dificuldades dos estudantes, no estudo da termoquímica, poderão ser mais facilmente superadas ou, mesmo, evitadas.

04-CCD-7008.pdf 04-CCD-7008.pdf

A História da Síntese de Elementos Transurânicos e Extensão da Tabela Periódica Numa Perspectiva Fleckiana

Cristhiane Cunha Flôr

História da Química

Epistemologia de Ludwik Fleck, elementos transurânicos

Neste trabalho, alguns aspectos da epistemologia de Ludwik Fleck são empregados na leitura de episódios históricos envolvendo a síntese de elementos transurânicos e consequente alteração da tabela Periódica. Particularmente, é analisado como ocorreu a comunicação das ideias e produções científicas naquele contexto,à luz dos conceitos fleckianos de coletivos de pensamento, circulação intracoletiva e intercoletiva de ideias e círculos esotérico e exotérico do conhecimento.

05-HQ-0409.pdf 05-HQ-0409.pdf

Uma Família de Químicos Unindo Brasil e Portugal: Domingos Vandelli, José Bonifácio de Andrada e Silva e Alexandre Vandelli

Adílio Jorge Marques e Carlos A. L. Filgueiras

Histria da Qumica

naturalismo, ciência luso-brasileira, Vandelli e Andrada

Durante aproximadamente um século, da metade dos setecentos a meados dos oitocentos, três gerações de químicos uniram dois países, Brasil e Portugal, ajudando a mudar a história política e científica de ambos. Eles tiveram papel destacado em conduzir a Química e a História Natural de Portugal a um melhor desenvolvimento e reconhecimento acadêmico. O processo se iniciou com Domingos Agostinho Vandelli (1735-1816), naturalista italiano trazido para Portugal em 1764 pela reforma pombalina, e que foi mestre de José Bonifácio de Andrada e Silva (1763-1838) em Coimbra. O filho mais velho de Domingos, Alexandre Antonio Vandelli (1784-1862), viria a casar-se em Lisboa no ano de 1819 com a filha primogênita de José Bonifácio, Carlota Emília de Andrada. A ciência luso-brasileira viu surgir assim uma linhagem de químicos e naturalistas que se uniram não apenas pela afeição às Ciências Naturais, mas também por fortes laços familiares.

06-HQ-4009.pdf 06-HQ-4009.pdf

Um Estudo do Processo Digestivo como Estratégia para Construção de Conceitos Fundamentais em Ciências

Daniela Rodrigues da Silva e José Cláudio Del Pino

Relatos de Sala de Aula

metodologia, aprendizagem, digestão

Este trabalho apresenta um estudo de caso desenvolvido com a 8ª série de uma escola da rede pública estadual de Porto Alegre (RS), na disciplina de ciências, com o objetivo de planejar e colocar em prática uma proposta metodológica na qual a interação se constitua uma alternativa à tradicional transmissão de conhecimentos em sala de aula. Essa proposta faz parte de um projeto maior que foi desenvolvido durante todo o ano letivo de 2007 com um currículo aberto, planejado de acordo com temas de interesse propostos pelos alunos, entre os quais estão os esportes, o corpo humano e as doenças. Uma das estratégias metodológicas utilizadas foi a resolução de problemas, objetivando a ação e a reflexão dos sujeitos envolvidos na construção do próprio conhecimento. Na medida em que os temas de interesse foram trabalhados, conceitos fundamentais foram questionados e reconstruídos, buscando a compreensão dos fenômenos abordados de forma que a aprendizagem se tornasse significativa.

07-RSA-4908.pdf 07-RSA-4908.pdf

Uso de Um Digestor Anaeróbio Construído com Materiais Alternativos para Contextualização do Ensino de Química

André Luiz Queiroga Reis, Gesivaldo Jesus Alves de Figueiredo, Márcia de Lourdes Bezerra dos Santos e Sérgio Ricardo Bezerra dos Santos

Relatos de Sala de Aula

química; digestor anaeróbio; materiais alternativos

Neste trabalho, foi desenvolvido um Digestor Anaeróbio (DA) utilizando-se materiais alternativos como uma proposta de ensino interdisciplinar que, neste caso, foi aplicado especificamente para o esclarecimento de conceitos associados ao comportamento dos gases. A observação dos processos que ocorrem no DA é realizada pelos alunos do 2º ano do nível médio, e conceitos de física, química e biologia são fornecidos a eles, de modo a facilitar a assimilação dos assuntos abordados. A proposta didático-metodológica apresentada é uma alternativa para melhoria da qualidade do ensino de química prestado aos alunos do Ensino Médio.

08-RSA-7208.pdf 08-RSA-7208.pdf

Ensinando a Química do Efeito Estufa no Ensino Médio: Possibilidades e Limites

Cristina Neres da Silva, Anderson Cezar Lobato, Rochel Montero Lago, Zenilda de Lourdes Cardeal e Ana Luiza de Quadros

Pesquisa no Ensino de Química

efeito estufa, ensino de química, livro didático

As novas tendências educacionais ressaltam a necessidade de compreensão dos problemas vivenciados pela sociedade em geral e, entre eles, os ambientais. Na disciplina de Química, o efeito estufa é um dos problemas a ser considerado em função da ênfase que os meios de comunicação têm dedicado a ele. Analisamos esse tema em alguns livros didáticos de Ensino Médio e percebemos uma necessidade de tratamento mais aprofundado sobre o fenômeno. Este trabalho procura discutir alguns conceitos envolvidos no efeito estufa e a possibilidade de trabalhá-los em salas de aula do Ensino Médio.

09-PE-1208.pdf 09-PE-1208.pdf

Estrutura Atômica e Formação dos Íons: Uma Análise das Ideias dos Alunos do 3º Ano do Ensino Médio

Angella da Cruz Guerra França, Maria Eunice Ribeiro Marcondes e Miriam Possar do Carmo

O Aluno em Foco

íon, modelo atômico, ensino de química

A ideia de íon é importante na construção e no entendimento de muitos conceitos químicos como: ligações químicas, eletroquímica, equilíbrio químico, óxido-redução, pH, entre outros. Assim, o entendimento do conceito de íon pode levar os alunos a compreenderem melhor vários fenômenos que estão presentes no seu cotidiano como, por exemplo, os sais solúveis em água que se dissociam e tornam o meio condutor de eletricidade; o mar, importante fonte de materiais, constituído por íons. Esse trabalho tem como objetivo investigar quais as concepções sobre a estrutura atômica e a formação dos íons que os alunos do Ensino Médio, da rede pública de São Paulo, possuem e que relações estabelecem entre elas.

10-AF-6008.pdf 10-AF-6008.pdf

pH do Solo: Determinação com Indicadores Ácido-Base no Ensino Médio

Márjore Antunes, Daniela S. Adamatti, Maria Alice R. Pacheco e Marcelo Giovanela

Experimentação no Ensino de Química

experimentação no Ensino Médio, potencial hidrogeniônico, solos

A realização de atividades experimentais contextualizadas pode ser uma ferramenta eficaz para despertar o interesse do aluno em aprender significativamente conteúdos a serem desenvolvidos. Devido à dificuldade de os alunos estabelecerem relações entre o potencial hidrogeniônico (pH) e o seu cotidiano, o presente trabalho teve por objetivo avaliar a aplicabilidade de uma metodologia para a determinação do pH de solos, visandoà aprendizagem desse conteúdo por estudantes do Ensino Médio. O experimento, realizado com uma turma de 27 alunos de 3ª série do Ensino Médio, mostrou-se viável quanto ao custo; ao espaço físico necessário para a sua realização; e ao seu caráter interdisciplinar e motivacional, o que permite supor que ele possa ser realizado em qualquer escola do ensino público ou privado.

11-EEQ-3808.pdf 11-EEQ-3808.pdf

Resenha

Estudo de casos no ensino de Química

12-resenha.pdf 12-resenha.pdf

Anúncio

II Seminário Ibero-Americano Ciência-Tecnologia-Sociedade no Ensino de Ciências (SIACTS-EC)

anuncio_SIACTS-EC.pdf anuncio_SIACTS-EC.pdf

Assessores QNEsc 2009

13-assessores.pdf 13-assessores.pdf

Normas para Publicao

14-Normas.pdf 14-Normas.pdf


Voltar Coleo Completa
 
on-line ISSN 2175-2699
impreso ISSN 0104-8899
Apoio a Projetos
CNPq
Desenvolvido por EKMF.