Voltar à Coleção Completa | Ir ao Volume Anterior | Ir ao Próximo Volume

QNEsc Vol. 38 No1

Química Nova na Escola
Vol. 38 No1
Fevereiro de 2016

Editorial

editorial.pdf Editorial PDF   HTML

Os Editores

 

Expediente/Sumário

20-Normas.pdf PDF: Expediente/Sumário

O Incrível Mundo dos Materiais Porosos – Características, Propriedades e Aplicações

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20160002

Amanda V. Santos
Marcelo M. Viana
Fernando H. A. Medeiros
Nelcy D. S. Mohallem

Química e Sociedade

Os materiais porosos são abordados neste trabalho inicialmente de forma questionadora e reflexiva, correlacionando suas propriedades físico-químicas e aplicações à presença de poros. Alguns experimentos simples envolvendo materiais porosos são apresentados ao longo do texto, assim como alguns exemplos, dando maior ênfase para o carvão ativado, os catalisadores automotivos e os biomateriais. Diversas aplicações de cada um deles são também apresentadas, o que evidencia a grande aplicabilidade dos materiais porosos e justifica o crescente interesse da sociedade por eles.

materiais porosos, porosidade, poros

02-EQM-29-12.pdf PDF: Química e Sociedade

 

Digerindo a Química Biologicamente: A Ressignificação de Conteúdos a Partir de Um Jogo

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20160003

Luciana M. Leite
Jeane C. G. Rotta

Espaço Aberto

Os temas alimentação, digestão e nutrição integram o cotidiano ao ambiente escolar, mas quando abordados com uma pedagogia centrada na transmissão de conceitos e que desconsidera os aspectos químicos, podem contribuir para um ensino fragmentado, descontextualizado e desmotivador. Os objetivos dessa pesquisa foram conhecer se alunos do ensino médio relacionavam os conhecimentos sobre os temas alimentação, nutrição e digestão, aprendidos nas aulas de ciências, com situações cotidianas e se identificavam a presença da química nesses temas. Para tanto, utilizamos um questionário e um jogo. Os resultados indicaram a falta de conceituação científica dos estudantes sobre esses temas e a não identificação com clareza dos conteúdos de química presentes na temática. A utilização do jogo proporcionou aos alunos motivação para aprenderem sobre a temática, bem como possibilitou ressignificarem conceitos provenientes do conhecimento cotidiano, considerados cientificamente inadequados.

contextualização, jogo didático, ensino de ciências

02-EQM-29-12.pdf PDF: Espaço Aberto

 

Limpando Moedas de Cobre: Um Laboratório Químico na Cozinha de Casa

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20160004

Dalva L. A. Faria
Nathália D. Bernardino
Sandra R. M. Setubal
Vera Novais
Vera R. L. Constantino

Conceitos Científicos em Destaque

A limpeza de objetos de cobre pode ser usada para introduzir conceitos essenciais em química como equilíbrio, cinética e tipos de reações químicas. Neste trabalho, um experimento sem a necessidade de supervisão direta é proposto, envolvendo a limpeza de moedas de cobre devido ao seu baixo custo e fácil acesso a produtos comerciais. Como um experimento sem supervisão, é altamente interativo e estimula uma postura mais investigativa na percepção do mundo real dos estudantes.

cobre, reações químicas, experimento interativo

02-EQM-29-12.pdf PDF: Conceitos Científicos em Destaque

 

Breve Discussão Histórica sobre a “Descoberta” dos Lantanídeos e sua Relação com as Teorias de Luz e Cores de Maxwell e Einstein

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20160005

Rodrigo Galvão
Jorge Fernando S. Menezes

História da Química

Neste artigo, discute-se a história da “descoberta” dos lantanídeos ou terras-raras (TR) e a relação entre a luminescência de seus compostos e as teorias de luz e cores de Maxwell e Einstein, que são celebradas no Ano Internacional da Luz em 2015. O texto tem como objetivo contribuir para a compreensão das propriedades físicas e químicas das TR que permitem aplicações industriais diversas. A temática também favorece um estudo interdisciplinar entre a física e a química à luz da história das ciências, em especial no que diz respeito à construção do conhecimento científico e seu caráter mutável e provisório.

lantanídeos, história das ciências, óptica

02-EQM-29-12.pdf PDF: História da Química

 

Análise de Instrumentos de Avaliação como Recurso Formativo

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20160006

Melquesedeque da Silva Freirei
Márcia Gorette Lima da Silva
Carlos Neco da Silva Júnior

Relatos de Sala de Aula

O presente trabalho relata uma experiência de formação docente a partir da análise de instrumentos de avaliação da aprendizagem como categoria didática que considera os objetivos, os conteúdos, as formas e estratégias de ensino e os recursos didáticos propostos na ação docente. A atividade foi desenvolvida com futuros professores de uma instituição pública de ensino superior do nordeste brasileiro. A estratégia consistiu em discutir o referencial teórico das dificuldades cognitivas e habilidades requeridas a estudantes do ensino médio para a execução de tarefas expressas em avaliações escritas de conceitos relacionados à química orgânica. Posteriormente, os itens dos instrumentos de avaliação foram analisados em termos de operações cognitivas requeridas e um novo item foi apresentado para ser analisado pelos participantes à luz do referencial teórico adotado. Os resultados observados sinalizam que vivenciar situações com problemas autênticos contribuem com a incorporação dessas práticas na ação docente.

dificuldades cognitivas, tipologia de tarefas, avaliação escrita

02-EQM-29-12.pdf PDF: Relatos de Sala de Aula

 

Ensino por Temas: A Qualidade do Ar Auxiliando na Construção de Significados em Química

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20160007

Mirra Angelina Neres da Silva
Ana Luiza de Quadros

Relatos de Sala de Aula

Neste trabalho, relatamos uma experiência de aulas de química por temas, usando o tema qualidade do ar. Para desenvolvê-lo, partimos de dados da FEAM/MG sobre a qualidade do ar em Belo Horizonte. A proposta temática foi aplicada em três escolas da rede pública. Ela se baseia nos pressupostos do movimento ciência, tecnologia e sociedade e representa uma tentativa de promover o letramento científico. Ao iniciarmos a proposta, notamos dificuldade nos estudantes em empregar o conhecimento escolar na explicação de fenômenos cotidianos. No entanto, explorando temas recorrentes na mídia e empregando os conceitos químicos para explicá-los, pudemos perceber um aumento no interesse pela química e um grande engajamento nas aulas.

ensino por temas, qualidade do ar, letramento científico

02-EQM-29-12.pdf PDF: Relatos de Sala de Aula

 

Desenvolvimento e Aplicação de Webquest para Ensino de Química Orgânica: Controle Biorracional da Lagarta-do-Cartucho do Milho

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20160008

Thiago Eliel Mendonça da Silva
Silvia Bernardinelli
Fábio Fontana de Souza
Andreia Pereira Matos
Vânia Gomes Zuin

Relatos de Sala de Aula

Apresentamos um relato de experiência que versa sobre o desenvolvimento e a aplicação de uma WebQuest voltada para uma temática diretamente relacionada ao dia a dia da escola na qual foi aplicada. A WebQuest foi utilizada em três momentos de 50 a 60 minutos em horário de contraturno com 17 alunos do 3º ano do ensino médio de uma instituição de ensino particular localizada no município de Morro Agudo (SP), região que se caracteriza pela presença de grandes plantações agrícolas. Discorremos sobre como foi desenvolvida a WebQuest, a escolha do tema e a importância de se abordar temas sociocientíficos controversos em aulas de química. A proposta foi trabalhar com a transposição didática de conhecimento gerado em um laboratório de pesquisas de química para a sala de aula. Como resposta ao nosso trabalho, os estudantes assumiram uma postura ativa, discutindo, questionando, sugerindo, produzindo e reconstruindo o seu repertório com base no conhecimento coletado.

estudo de caso no ensino de química, controvérsias sociocientíficas, transposição didática

02-EQM-29-12.pdf PDF: Relatos de Sala de Aula

 

Contribuição da Escrita Reflexiva à Reelaboração de Saberes: Olhares de Licenciandos Participantes do PIBID Química

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20160009

Andréia Francisco Afonso
Cleiton Silva Leandro
Paola Thaís Spolaôr Falcão
Renan Vilela Bertolin
Clelia Mara de Paula Marques
Dulcimeire Aparecida Volante Zanon

Ensino de Química em Foco

Dentre as orientações para os cursos de formação inicial de professores, podemos destacar a que privilegia a reflexão e os conhecimentos práticos, estimulando o licenciando a tornar-se responsável por sua formação ao longo de sua atuação profissional. O Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência da Universidade Federal de São Carlos tem proporcionado momentos de reflexão por meio de portfólios, em que os futuros professores descrevem as vivências marcantes de sua trajetória e buscam correlacioná-las aos aspectos teórico-práticos. Assim, esse recurso foi utilizado para analisar e categorizar, com base nos saberes descritos por Tardif, o processo de reelaboração dos saberes adquiridos por três bolsistas da área de química, configurando a pesquisa como qualitativa. Pudemos perceber um deslocamento de atitudes e posturas, por parte dos bolsistas, diante das diferentes situações de ensino e a busca de um entendimento de conceitos teóricos que os desafia no planejamento de atividades.

iniciação à docência, química, portfólio

02-EQM-29-12.pdf PDF: Ensino de Química em Foco

 

Isômeros, Funções Orgânicas e Radicais Livres: Análise da Aprendizagem de Alunos do Ensino Médio Segundo a Abordagem CTS

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20160010

Antônio Inácio Diniz Júnior
João R. R. Tenório da Silva

Ensino de Química em Foco

Este artigo busca analisar a aprendizagem de alunos do ensino médio de química de uma escola pública estadual do interior de Pernambuco com base na abordagem CTS. O projeto foi desenvolvido nas ações de 2012 a 2013, nas intervenções do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência - PIBID/Química da Unidade Acadêmica de Serra Talhada, campus da UFRPE. As atividades foram desenvolvidas em três ciclos, sendo cada um aplicado numa série diferente do ensino médio. Para critério de análise, foram estabelecidas três categorias, que consideram a construção de ideias em diferentes momentos, desde aplicações científicas e tecnológicas a intervenções no contexto social. Constatamos que apesar de os alunos não estudarem química orgânica nas três séries, demonstraram uma aprendizagem eficiente, pois souberam defender suas ideias a partir de pontos de vistas científicos, tecnológicos e sociais como também evidenciaram habilidades de contextualizar e problematizar diferentes temas do cotidiano.

ensino de química, CTS, química orgânica

02-EQM-29-

12.pdf PDF: Ensino de Química em Foco

 

Concepções sobre Substância: Relações entre Contextos de Origem e Possíveis Atribuições de Sentidos

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20160011

João R. R. T. da Silva
Edenia M. R. do Amaral

O Aluno em Foco

Para um melhor entendimento do conceito de substância, consideramos que este deve ser ensinado com base nas concepções informais que os alunos apresentam. Algumas dessas concepções informais encontram sentido nos contextos em que se originam, sendo esta uma das razões para a persistência delas após a instrução formal. Ao apresentar os conceitos científicos, é importante discutir diferentes sentidos e significados associados a estes. Este artigo teve como objetivo analisar concepções de alunos e professores do ensino médio sobre o conceito de substância, identificando a natureza dessas ideias e o contexto ao qual elas podem estar associadas. Aplicamos um questionário a professores e alunos de química do ensino médio e, após a análise, verificamos diferentes modos de pensar o conceito de substância associados a diversos contextos de origem. Consequentemente, em situações de aprendizagem, os alunos não conseguem situar ideias científicas em relação às suas concepções informais.

substância, concepções informais, contextos de origem

02-EQM-29-12.pdf PDF: O Aluno em Foco

 

Uma Proposta de Aula Experimental de Química para o Ensino Básico Utilizando Bioensaios com Grãos de Feijão (Phaseolos vulgaris)

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20160012

Genicleide L. Sousa
Anderson S. M. Simões

Experimentação no Ensino de Química

O objetivo deste artigo é propor uma aula experimental de química para o ensino básico com abordagem interdisciplinar, sendo possível a construção de um experimento de baixo custo e de simples execução para trabalhar os conteúdos da química de modo interdisciplinar e enfatizando os conceitos fundamentais para a inserção da educação ambiental no cotidiano dos discentes. O bioensaio desenvolvido teve como objetivo verificar a toxicidade de soluções aquosas de detergentes em diferentes concentrações, e os efeitos foram avaliados em relação à inibição da germinação do grão de feijão (Phaseolos vulgaris). Nos testes realizados, foram obtidos resultados similares, sendo verificado que, para todas as soluções de detergente utilizadas, houve uma inibição na germinação dos grãos de feijão, comprovando o efeito tóxico da solução-teste.

ensino de química, educação ambiental, bioensaios de toxicidade

02-EQM-29-12.pdf PDF: Experimentação no Ensino de Química

 

A Experimentação na Docência de Formadores da Área de Ensino de Química

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20160013

Fábio Peres Gonçalves
Carlos Alberto Marques

Cadernos de Pesquisa

Investigou-se, com formadores de professores atuantes em componentes curriculares da área de ensino de química, como a docência na licenciatura em química pode contribuir para a aprendizagem sobre a experimentação no ensino de ciências. Pretende-se colaborar na caracterização de possibilidades metodológicas para a abordagem da experimentação, na qualidade de um conteúdo da formação inicial de professores de ciências da natureza. A pesquisa se fundamentou, em parte, em pressupostos do educador brasileiro Paulo Freire, dos quais se originaram categorias a priori de análise. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com cinco formadores de professores atuantes em componentes curriculares da área de ensino química de diferentes cursos de licenciatura em química brasileiros. A análise das informações qualitativas foi conduzida pelos procedimentos da análise textual discursiva. Com isso, apontou-se, por exemplo, a presença de situações-limite que influenciam no processo de disseminação e apropriação de assuntos relacionados às atividades experimentais na formação inicial de professores de química. De modo que se faz relevante a problematização da experimentação em tal processo formativo como forma de enfrentar as situações-limite. Sinaliza-se também a necessidade de problematizar  contradições nos conhecimentos e nas ações dos participantes da formação inicial, quais sejam, formadores das componentes curriculares de conteúdos específicos e integradoras e licenciandos. Face ao exposto nas análises, destaca-se que o relatado pelos formadores aponta, em certa medida, maneiras de abordar as atividades experimentais e que pode colaborar para favorecer a problematização das atividades experimentais na formação inicial de professores de química.

experimentação, formação de professores de química, docência na educação superior, Paulo Freire

02-EQM-29-12.pdf PDF: Cadernos de Pesquisa

 

Assessores 2015

Gostaríamos de agradecer os assessores que colaboraram, ao longo de 2015, emitindo pareceres sobre os artigos submetidos
para publicação em Química Nova na Escola.

02-EQM-29-12.pdf PDF: Assessores 2015

 

Revista Completa 38-1

20-Normas.pdf PDF: Revista Completa

 

Normas

20-Normas.pdf PDF: Normas para Submisão

Sociedade Brasileira de Química © 2017

Voltar à Coleção Completa | Ir ao Volume Anterior | Ir ao Próximo Volume

on-line ISSN 2175-2699
impreso ISSN 0104-8899
Apoio a Projetos
CNPq
Desenvolvido por EKMF.