Voltar à Coleção Completa | Ir ao Volume Anterior | Ir ao Próximo Volume

QNEsc Vol. 37 No especial 1(exclusivamente on-line)

Química Nova na Escola
Vol. 37 No especial 1(exclusivamente on-line)
Julho de 2015

Editorial

editorial.pdf Editorial PDF   HTML

Os Editores

 

Expediente/Sumário

20-Normas.pdf PDF: Expediente/Sumário

Favorecendo a Discussão de Alguns Aspectos de Natureza da Ciência no Ensino Médio

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20150013

Mary Mendes Oliveira dos Anjos
Rosária Justi

Espaço Aberto

Inspirado nos trabalhos de Allchin sobre aprendizagem baseada em problemas, apresentamos uma proposta de atividade focada em uma visão de ensino de natureza da ciência autêntica a ser desenvolvida no ensino médio. Nessa proposta, os alunos são confrontados com uma situação-problema a partir da qual podem refletir, argumentar e tomar decisões justificadas. Isso ocorre a partir da participação destes em um júri simulado cujo objetivo é julgar a ação de uma indústria farmacêutica responsável pelo teste de um novo medicamento na população pobre e vulnerável de Nairóbi, no Quênia (situação que é retratada no filme O jardineiro fiel). O engajamento dos estudantes nessa atividade favorece a discussão de aspectos relacionados a contextos de produção de conhecimento, financiamento de pesquisas, bioética etc.

natureza da ciência, ciência autêntica, atividade de ensino

02-EQM-29-12.pdf PDF:Espaço Aberto

 

O Mundo da Vida e o Mundo da Escola: Aproximações com o Princípio da Contextualização na Organização Curricular da Educação Básica

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20150014

Laís Basso Costa-Beber
Jaqueline Ritter
Otavio Aloisio Maldaner

Espaço Aberto

Apresentamos uma reflexão acerca de possibilidades de educação básica com vistas a ações pedagógicas que façam sentido para o mundo da vida dos sujeitos. Dialogamos com as ideias de Boaventura de Sousa Santos, Paulo Freire, Lev Vigotski e outros contemporâneos que recontextualizam princípios de organização curricular, cujos sentidos convergem para que o mundo da escola não tenha fim em si mesmo. Foram identificados conceitos-chave que apontam possíveis convergências entre os diferentes autores estudados: problematização em Freire, a ecologia de saberes em Santos e a significação cultural em Vigotski. Podemos afirmar que esses conceitos, entendidos como princípios curriculares, embora apresentem especificidades, são marcados por uma interpenetração de sentidos por caracterizarem formação escolar que prioriza pensar e agir melhor no mundo da vida. Tais aspectos dizem respeito ao princípio da contextualização, perseguido em abordagens temáticas.

ecologia de saberes, problematização, significação cultural

02-EQM-29-12.pdf PDF: Espaço Aberto

 

Reflexões sobre a Formação e a Prática Pedagógica do Docente de Química Cego

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20150015

Lidiane dos Santos Mariano
Anelise Maria Regiani

Relatos de Sala de Aula

Este trabalho propõe-se a refletir sobre o percurso formativo vivenciado por pessoa cega desde o acesso à escola até a sua formação em nível superior como docente de química e sobre suas metodologias de ensino em sala de recursos de escola regular com um aluno cego. Os resultados das reflexões são apresentados como um recorte de pesquisa de cunho qualitativo a partir das narrativas dos diferentes sujeitos pesquisados, suas compreensões e suas vivências no âmbito escolar. Ficam evidentes a importância da utilização de estratégias metodológicas que assegurem a integração e a articulação do sistema multissensorial do estudante e a existência de uma rede de apoio entre escola, centro de apoio pedagógico ao deficiente visual e universidade.

deficiência visual, docente cego, ensino de química

02-EQM-29-12.pdf PDF: Relatos de Sala de Aula

 

Representações Sociais de Calor por Estudantes de Graduação em Química

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20150016

Pablo Micael Araújo Castro
Luciana Nobre de Abreu Ferreira

O Aluno em Foco

O conceito de calor tem um grande caráter consensual, uma vez que faz parte do cotidiano das pessoas. Tal conceito também possui uma dimensão interdisciplinar, estando presente nas mais diversas ciências tais como física, química e biologia. A proposta deste trabalho é analisar as representações sociais do conceito de calor de graduandos em química, bem como os obstáculos no ensino que estas podem representar. Para a coleta de dados, foi utilizada a técnica de evocação livre de palavras, sendo os dados analisados por meio do software EVOC. A partir dos resultados obtidos, é possível sugerir que o conceito de calor possui um caráter material e que também é visto como sinônimo de quente e altas temperaturas. Percebeu-se também que tais significações apresentam barreiras epistemológicas e ontológicas, constituindo-se, portanto, em obstáculos para o processo de ensino-aprendizagem do conceito de calor.

representações sociais, obstáculos epistemológicos

02-EQM-29-12.pdf PDF: O Aluno em Foco

 

Avaliação de Habilidades Cognitivas em Um Contexto Sociocientífico com Foco nas Habilidades Argumentativas

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20150017

Damaris Guimarães
Paula Cristina Cardoso Mendonça

Ensino de Química em Foco

As habilidades cognitivas de alunos do ensino médio foram avaliadas a partir das justificativas apresentadas por eles durante a resolução de um estudo de caso que envolvia uma questão sociocientífica. Tais habilidades foram classificadas segundo a taxonomia de Bloom. As justificativas daqueles alunos que demonstraram habilidades de níveis 4 e 5 (que conseguiram propor argumentos válidos) foram classificadas em níveis, propostos com base no padrão de Toulmin. Observou-se que a maioria dos alunos iniciou o ensino médio com as habilidades do domínio cognitivo de ordem média desenvolvidas e, portanto, apresentou dificuldades em assumir um posicionamento crítico e em argumentar. No entanto, constatamos que as habilidades cognitivas se desenvolveram com o decorrer do ensino médio, embora argumentos mais sofisticados não tenham sido observados. A análise dos argumentos associada à taxonomia de Bloom nos permitiu prever possíveis causas para argumentação de baixa qualidade dos alunos.

argumentação, questões sociocientíficas, taxonomia de Bloom

02-EQM-29-12.pdf PDF: Ensino de Química em Foco

 

Os Gestos Recorrentes e a Multimodalidade em Aulas de Química Orgânica no Ensino Superior

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20150018

Renata Reis Pereira
Eduardo Fleury Mortimer
Luciana Moro

Cadernos de Pesquisa

Professores de ciências da natureza normalmente utilizam vários modos de comunicação durante a construção de significados em sala de aula. Nesse sentido, o estudo da multimodalidade tem um importante papel nas pesquisas em educação em ciências. Neste trabalho, analisamos o uso dos gestos recorrentes em conjunto com outros modos semióticos durante o compartilhamento de significados em aulas de química orgânica do ensino superior. A análise foi realizada a partir dos vídeos das aulas gravadas durante um semestre. Procurou-se responder às seguintes questões de pesquisa: Como ocorre a recorrência dos gestos e em que conteúdos os gestos recorrentes predominam? Como os diferentes modos se articulam na construção de significados relevantes para a química orgânica? A partir da identificação dos gestos recorrentes e de suas relações com os conteúdos trabalhados, conseguimos identificar conceitos que são considerados essenciais no entendimento do conteúdo de química orgânica. O professor constrói significado por meio da interação entre esses modos semióticos. Compreender o papel desempenhado pelos vários modos permite a este fazer escolhas dos modos que julga mais apropriados para serem utilizados no ensino de um determinado conteúdo.

ensino superior, química orgânica, gestos recorrentes, multimodalidade

02-EQM-29-12.pdf PDF: Cadernos de Pesquisa

 

Zonas do Perfil Conceitual de Calor que Emergem na Fala de Professores de Química

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20150019

Antônio Inácio Diniz Júnior
João Roberto Ratis Tenório da Silva
Edenia Maria Ribeiro do Amaral

Cadernos de Pesquisa

O perfil conceitual vem sendo apresentado na literatura como um modelo explicativo para o processo de ensino e aprendizagem de ciências. Pesquisas sobre perfis conceituais apontam para a importância de o estudante tomar consciência dos diferentes modos de pensar sobre um conceito específico de forma a compreender e situar ideias científicas introduzidas na escola. Consideramos importante que também o professor tenha consciência dessa pluralidade de sentidos que um conceito a ser ensinado pode adquirir. Neste trabalho, tivemos o objetivo de identificar zonas do perfil conceitual de calor que emergiram na fala de dois professores, em aulas de química, e analisar as percepções que estes podem apresentar sobre suas concepções. As aulas foram registradas em vídeo, trechos de fala foram transcritos e analisados. Também foram realizadas entrevistas com os professores. Os resultados mostram a emergência de quatro
zonas do perfil conceitual – realista, substancialista, empirista e racionalista – nas falas dos dois professores, e sugerem que eles não têm percepção das suas concepções. Esses resultados apontam para a necessidade de reflexão por parte dos professores sobre as suas concepções, de forma que possam adotar estratégias apropriadas para mediar a discussão com os estudantes, guiando-os para a compreensão dos diversos significados que um único conceito pode adquirir em situações e contextos diversos, incluindo o contexto científico.

Perfil conceitual. Calor. Concepções e percepção de professores

02-EQM-29-12.pdf PDF: Cadernos de Pesquisa

 

O Trabalho do Cientista nos Cartuns de Sidney Harris: Um Estudo sob a Perspectiva da Sociologia da Ciência

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20150020

Fernanda Resende Roxael
Natália de Paiva Diniz
Jane Raquel Silva de Oliveira

Cadernos de Pesquisa

A educação científica deve possibilitar uma melhor compreensão do trabalho do cientista e do processo de construção social da ciência. Neste trabalho, buscamos investigar um recurso didático alternativo que possa ser utilizados nessa perspectiva: os cartuns de cientistas criados por Sidney Harris. O objetivo desta pesquisa foi analisar alguns aspectos da sociologia da ciência presentes nesses cartuns que abordam questões ligadas ao trabalho de cientistas. Foram adotados como referencial teórico alguns aspectos da sociologia da ciência descritos na obra A vida de laboratório de Bruno Latour e Steve Woolgar. Foram selecionados 10 cartuns que apresentassem imagens de cientistas em diversas situações do cotidiano da ciência ou imagens que abordam questões ligadas ao trabalho de cientistas. Foi realizado um inventário denotativo dos elementos que constituem cada cartum. Em seguida, fez-se uma análise de significação conotativa desses elementos, buscando agrupar cada cartum nas categorias analíticas delineadas a partir do referencial teórico. Os resultados revelaram que, nos cartuns, é possível observar algumas características da prática da ciência como o trabalho coletivo, a valorização das publicações, a manutenção do ciclo de credibilidade e a presença feminina na ciência.

natureza da ciência, sociologia da ciência, cartuns, divulgação científica, Sidney Harris.

02-EQM-29-12.pdf PDF: Cadernos de Pesquisa

 

Relações entre Gestos e Operações Epistêmicas Mediadas pela Representação Estrutural em Aulas de Química e suas Implicações para a Produção de Significados

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20150021

Marcelo Giordan
Arcelino Bezerra Silva-Neto
Alexandre Aizawa

Cadernos de Pesquisa

Nosso principal objetivo é ampliar a discussão sobre o uso de representação estrutural no ensino de química, por meio da relação entre categorias gestuais baseadas nos estudos de McNeill (2005) e das operações epistêmicas, com a proposição de algumas técnicas de análise qualitativa e quantitativa. Foram analisados dois episódios de ensino nos quais dois professores em formação inicial utilizaram representações estruturais em aulas sobre saponificação e polímeros. O tratamento dos dados foi realizado no software NVivo 10, o que permitiu estabelecer a sobreposição de categorias gestuais e epistêmicas, possibilitando analisar a relação entre elas. A análise nos levou a uma hipótese: o aumento do grau de abstração das operações epistêmicas estaria relacionado com a diminuição do grau de iconicidade das categorias gestuais. Além disso, apontamos desdobramentos da pesquisa para ampliar as análises do movimento discursivo em sala de aula comparadas ao planejamento de ensino, visto que as operações epistêmicas estão relacionadas aos propósitos de ensino do professor.

gestos, ensino de química, operação epistêmica, representação estrutural química, produção de significado.

02-EQM-29-

12.pdf PDF: Cadernos de Pesquisa

 

Argumentação de Graduandos em Química sobre Questões Sociocientíficas em um Ambiente Virtual de Aprendizagem

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20150022

Nilcimar S. Souza
Patrícia F. O. Cabral
Salete L. Queiroz

Cadernos de Pesquisa

Numerosos estudos destacam a importância da argumentação na aquisição do conhecimento científico e sugerem que a sua promoção deve ser fomentada em ambientes de ensino de ciências. O objetivo deste trabalho foi identificar como graduandos em química, agrupados em duplas, construíram argumentos durante a participação em uma atividade didática pautada na discussão de questões sociocientíficas. Os argumentos foram elaborados durante períodos de trabalho colaborativo assíncrono em um ambiente virtual de aprendizagem, denominado eduqui.info, no contexto de uma disciplina de comunicação científica. Dois quadros analíticos foram empregados para avaliar a qualidade da argumentação dos alunos: quadro analítico Rainbow (foco na natureza epistêmica das contribuições dos alunos durante a etapa de colaboração) e um quadro analítico estrutural (foco nas relações existentes entre a qualidade estrutural dos argumentos e a qualidade conceitual e qualidade de fundamentos).

argumentação colaborativa, questões sociocientíficas, estudo de casos.

02-EQM-29-12.pdf PDF: Cadernos de Pesquisa

Normas

20-Normas.pdf PDF: Normas para Submisão

Sociedade Brasileira de Química © 2017

Voltar à Coleção Completa | Ir ao Volume Anterior | Ir ao Próximo Volume

on-line ISSN 2175-2699
impreso ISSN 0104-8899
Apoio a Projetos
CNPq
Desenvolvido por EKMF.